Professores visitam Bienal de Veneza

O Coordenador de Artes, Filosofia e Sociologia, João Régis Lima, e o professor de Artes, Pedro Leão, foram à 56.a edição da Bienal de Veneza, enviados pelo Bandeirantes. O evento é considerado o maior, mais antigo e mais importante, dentre as Bienais de Arte do Mundo e completou 120 anos em 2015.

Professores Pedro e Régis

A exposição era dividida em temas como “O jardim do Caos”, “Ao vivo: em Duração Épica” e “Lendo o Capital”, que traziam questões muito atuais da sociedade sob a ótica da arte. “A Bienal de Veneza é uma grande vitrine da produção artística contemporânea. Estar no evento é estar em contato com o que há de mais representativo surgindo agora”, contou Régis.

Dentre as obras expostas, uma que chamou a atenção dos dois professores foi a Rêvolution, no pavilhão francês. A instalação consistia em árvores acopladas a um sistema da rodas, que se moviam de acordo com a luz do local e o fluxo de seiva da planta. Além disso, o fluxo de seiva também compunha uma produção de som no pavilhão. “Esse projeto é muito interessante porque tem todo o espírito do STEAM e mostra muito bem como uma obra pode ter um caráter científico e poético”, declarou o Coordenador. “É a junção da estética com tecnologia, razão e subjetividade”, completou Pedro.

Para os professores, a presença na Bienal se faz importante em diversos aspectos, como por exemplo, a atualização do currículo de Artes. “Essas exposições nos fazem pensar em como ensinar Artes para além do conteúdo, chama para o desafio de ir para o lado da produção”, afirmou o professor.

Além disso, a Bienal traz assuntos que podem ser debatidos em outras disciplinas, como explica o Coordenador Régis: “Muitas obras que estavam na Bienal poderão ser utilizadas como provocação para levantar discussões no curso de Filosofia e de Sociologia, porque a arte também reflete questões políticas e sociais”.