Cristiano Mascaro e a série Bom Retiro e Luz

Com curadoria de Pedro Nery, a Pinacoteca apresenta a exposição Cristiano Mascaro e a série Bom Retiro e Luz. A mostra reúne 47 fotos em preto e branco realizadas nos anos 70 no bairro do Bom Retiro, onde a Pinacoteca está localizada.
A série fotográfica pode ser entendida como memória institucional do bairro, ao mesmo tempo que apresenta a visão fotográfica de Cristiano Mascaro no início de sua carreira artística. As imagens são marcadas por alto contraste, instantâneos e composição geométrica que remetem à pesquisa sobre linguagem e a tradição do fotojornalismo.

cristiano-mascaro-estacao-da-luz-1998

 

Ao observar as fotos é possível perceber a capacidade de Mascaro de explorar com um olhar contemplativo um dos bairros mais antigos e plurais da cidade de São Paulo, junto da vida corriqueira e a paisagem humana diversa presente até hoje no bairro.

Captura-de-Tela-2015-01-29-às-22.22.15

Cristiano Mascaro nasceu em Catanduva em 1944. É formado em arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU USP), iniciando sua carreira fotográfica em 1968 quando foi convidado para fazer parte da primeira equipe da revista Veja. Na sua carreira passou pela Enfoco Escola de Fotografia, Laboratório de Recursos Áudio-Visuais da FAU/USP e a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo de Santos.

 

 

HORÁRIOS E LOCAL

29/09/2014 a 19/04/2015 – R$ 6,00, sendo R$ 3,00 reais a meia-entrada para estudantes com carteirinha. Menores de 10 anos e maiores de 60 são isentos de pagamento.

QUINTAS, SÁBADOS E DOMINGOS – ENTRADA GRATÚITA.

TERÇA A DOMINGO –  das 10h às 17h30, com permanência até as 18h.

QUINTAS – O museu fica aberto até às 21h30, com permanência até as 22h.

Pinacoteca do Estado de São Paulo

Praça da Luz, 2  – 11 3324-1000 | Lg. General Osório, 66 – 11 3335-4990

Link: http://www.pinacoteca.org.br/pinacoteca-pt/default.aspx?c=exposicoes&idexp=1247&mn=537&friendly=Exposicao-Cristiano-Mascaro-e-a-serie-Bom-Retiro-e-Luz

Estrutura em Movimento – Gravuras de Iberê Camargo

Iberê

A Pinacoteca do Estado de São Paulo apresenta de 30 de agosto a 31 de Janeiro 2015, no terceiro andar da Estação Pinacoteca, a mostra Estrutura em movimento – A gravura na obra de Iberê Camargo. Considerado um dos grandes nomes da arte brasileira do século 20, Iberê Camargo (1914-1994) é autor de uma obra extensa. Com curadoria de Carlos Martins e José Augusto Ribeiro, curadores da Pinacoteca, a exposição homenageia o centenário de nascimento do artista e apresenta cerca de 100 trabalhos, entre pinturas, desenhos, guaches e gravuras, realizados desde o período de formação do artista, nos anos de 1930 e 1940, até as suas últimas manifestações, no começo da década de 1990.

ibere-camargo-4

 

 

 

 

 

 

 

SOBRE O ARTISTA

Iberê Camargo nasceu em Restinga Seca, interior do Rio Grande do Sul, Brasil, em 1914. Em 1927, iniciou seu aprendizado em pintura na Escola de Artes e Ofícios de Santa Maria. Em 1936, mudou- se para Porto Alegre, onde conheceu Maria Coussirat Camargo. E foi com tela e tintas dela, então estudante do Instituto de Belas Artes, que Iberê pintou seu primeiro quadro, às margens do Riacho, na Cidade Baixa – assim começou o namoro do casal e assim “começou o pintor”. Em 1939, Iberê e Maria se casaram. Em 1942, ano de sua primeira exposição, o artista e sua esposa mudaram-se para o Rio de Janeiro, onde viveram por 40 anos.

Admirador e amigo de artistas brasileiros como Goeldi e Guignard, em 1948 viajou para a Europa (através de um Prêmio de Viagem ao Estrangeiro, conquistado com sua obra Lapa, de 1947) em busca de aprimoramento técnico. Durante sua estada, visitou museus, realizou cópias dos grandes mestres da pintura e estudou gravura e pintura com Giorgio De Chirico, Carlo Alberto Petrucci, Leoni Augusto Rosa, Antonio Achille e André Lhote.

De volta ao Brasil, em 1950, Iberê conquistou inúmeros prêmios e participou de diversas exposições internacionais, tais como Bienal de São Paulo, Bienal de Arte Hispano-Americana em Madri, Bienal de Veneza, Bienal de Gravuras em Tóquio, entre outras exposições importantes. Foi no final dos anos 1950 que, devido a uma hérnia de disco que o obrigou a pintar no interior de seu ateliê, o artista desenvolveu um dos temas mais recorrentes em sua pintura: os Carretéis. São estes brinquedos de sua infância que o levaram, mais tarde, à abstração, e que estiveram presentes em sua obra até a fase final.
Na década de 1980, retomou a figuração. Mas, ao longo de toda sua produção, nunca se filiou a correntes ou movimentos. Em 1982, retornou a Porto Alegre, onde produziu duas de suas séries mais conhecidas: as Idiotas e os Ciclistas. Iberê Camargo faleceu em agosto de 1994, aos 79 anos, deixando um grande acervo de mais de 7 mil obras, entre desenhos, gravuras e pinturas. Grande parte desta produção foi deixada a Maria, sua esposa e companheira inseparável, cuja coleção compõe hoje o acervo da Fundação Iberê Camargo.

088a_4

“Mulher sentada”. Água-tinta. 1956.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

088b_4

“Suite Manequins 2”. Gravura. 1986.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pinacoteca do Estado de São Paulo – Praça da Luz, 2 – São Paulo, SP
 Estação Luz do Metrô – Tel. 55 11 3324-1000
Terça a Domingo das 10h às 18h.  Quintas das 10h às 22h. Bilheteria até as 17h30.

Estação Pinacoteca – Largo General Osório, 66 – São Paulo, SP – Tel. 55 11 3335-4990
Memorial da Resistência de São Paulo – Largo General Osório, 66 – São Paulo, SP
Terça a Domingo das 10h às 18h. Bilheteria até as 17h30.
Tel. 55 11 3335-4990 – Fale com a ouvidoria ouvidoria@cultura.sp.gov.br | Clique aqui e acesse o portal da transparência

Turim 1911

TURIM 1911: VESTÍGIOS DE UMA EXPOSIÇÃO UNIVERSAL

DE 26.ABR A 10.AGO 2014

Mostra sobre a participação dos artistas brasileiros na Exposição Universal de Turim (Arthur Timótheo da Costa, Carlos Chambelland, Carlos Oswald, Eduardo de Sá, Eugênio Latour, João Timótheo da Costa, Lucílio de Albuquerque, Manuel Madruga, Oscar Pereira da Silva e Rodolfo Chambelland) propõe apresentar parte do que foi produzido pelos pintores brasileiros para aquele certame, algumas premiações obtidas pelo Brasil e, ainda, as diversas maneiras de divulgação de tais eventos, que procuram expor os principais produtos de cada país. Para tanto, a exposição pretende exibir alguns dos trabalhos produzidos por alguns desses artistas, placas e diplomas obtidos por instituições nacionais, medalhas, guias de visitação, cartazes, selos, cartões-postais, além da reprodução de fotografias, propagandas e outros materiais impressos relevantes.
-..-IICManager-Upload-IMG--SanPaolo-201405061414tornino
A historiadora Ruth Sprung Tarasantchi é a curadora desta mostra, resultado de uma de suas pesquisas a cerca da produção artística brasileira do século XIX. A exposição destaca o a documentação reunida pela pesquisadora na reconstrução desta história.
Professora Dra. Ruth Sprung Tarasantchi
Para saber mais acesse:
Pinacoteca do Estado de São Paulo
Praça da Luz, 2 – São Paulo, SP
 Estação Luz do Metrô – Tel. 55 11 3324-1000