Vídeo dos Alunos – Makulelê Miranda: O Homem que Enfrentou o Fascismo

A equipe formada pelo Arthur Miranda, Augusto Gonzales Leite, Diego “Di” Hajjar, Marcelo de Assis Lustosa, Matheus Almeida, Raphael Palumbo e Vitor Souza Amin teve problemas e soluções em igual grandeza. Para produzir seu ambicioso vídeo “Makulele Miranda – O homem que enfrentou o Fascismo”, o grupo mobilizou uma equipe ainda maior na produção, contando com a ajuda de alunos de outros grupos da sala e até de outras salas. A equipe de produção contava com cerca de vinte pessoas, incluindo até um colega que já havia saído do Colégio.

O filme tem um gosto de “prequel” muito mais bem produzido do filme de primeiro semestre de alguns dos integrantes do grupo. Conta a história de um rico comerciante de diamantes mestiço, tentando sobreviver à política racial do Fascismo de Mussolini. A produção demonstra que eles aprenderam a olhar para o próprio trabalho com muito mais seriedade, marcando a evolução no senso crítico e estético dos alunos.

O valor do filme está em todo o trabalho de pré-produção da equipe, que garimpou figurinos, negociou o uso de cenários e encontrou objetos de cena fundamentais para os momentos mais tensos e necessários do roteiro. Esse grupo levou a sério MESMO essa fase do projeto.

E apesar do trabalho todo, correndo contra o tempo, um problema técnico fez com que eles perdessem toda uma primeira versão da edição. O grupo entrou em contato com o professor, e mesmo sem poder participar da exibição para a turma no final do bimestre, virou noites para refazer a edição e entregar o trabalho, demonstrando verdadeiro comprometimento e paixão pela criação deles. Tanta paixão, que o vídeo estoura o limite de 5 minutos imposto aos alunos sem que os integrantes se importem com as consequências: eles preferiram o deleite de ter a obra completa (todos os 15 minutos dela), sem perder as cenas de impacto.

Eu consegui acompanhar parte do processo de trabalho através do grupo de Facebook que os alunos montaram, e no qual incluíram todos os professores. A experiência foi riquíssima, e me deu várias ideias para outros anos. Terminado o ano, os alunos foram para sua viagem de formatura, e voltaram postando no grupo do Face sobre a vontade de produzir uma continuação ambientada na Guerra Fria, e postando todas aquelas deliciosas ideias de brainstorming inicial para esse novo projeto.

Vídeo dos Alunos – Amélia

“Amélia” foi produzido pela equipe da Adriana Hall, Fernanda Toledo, João Fernando Ferreira, Maísa Rachman, Rafaela Livoratti e Richard Jin. O filme chamou bastante atenção não só pela qualidade da produção, mas também pelo tema forte e relevante para a faixa etária deles, tratado com a seriedade devida de um grupo que resolveu peitar o desafio de produzir um drama.

A história apresenta Amélia, uma garota frágil que é vista já na primeira cena tomando remédios. Convidada para uma HP na casa das garotas populares, Amélia aceita tudo o que lhe oferecem na festa, seduzida pela possibilidade de estreitar laços de amizade com as outras meninas. Caindo inconsciente pelo abuso de substâncias, ela acorda no dia seguinte desnorteada e com uma surpresa incrivelmente desagradável que vai lhe custar mais do que ela imaginava.

A produção foi séria e primorosa! Da escolha perfeita dos atores a atrizes para os papéis, passando pelo uso cuidadoso de figurino e objetos de cena, a edição de imagens mostrando a vista embriagada de Amélia, até a ótima escolha e edição das músicas. Destaque para a cena em que Amélia espera por dias por um contato das meninas da festa, ao som da música “Vampire’s Kiss” do John Gold. A letra da música merece ser pesquisada, porque cai como uma luva com os sentimentos evocados pela cena. Outro momento ótimo do filme é a chegada de Amélia em casa, para ser confrontada pelo pai furioso, interpretado pelo próprio pai da atriz Rafaela Livoratti (ao som de “Creep”, do Radiohead, ótima escolha para uma cena de inocência perdida). Imagine como deve ter sido importante a experiência de produzir essa cena!

Pode-se argumentar que “Amélia” é um filme de alerta para o uso de drogas. Ou talvez que levanta o mesmo alarme relativamente conservador que tem aparecido por aí sobre as HPs. Porém, mais do que isso, eu acho que ele é um alerta maior sobre pressão de grupo. Sobre a ingenuidade de acreditar que amizade (e principalmente respeito) podem ser conquistados por esses meios. O resto que é retratado no filme aparece mais como consequência nefasta disso.

Uma produção que merece ser vista, e que chamou a atenção até da turma de CPG do Colégio.

Vídeo dos Alunos – Arabella

Eu queria começa a postar os vídeos do semestre com o “Arabella” da Julia Leitner, Laura Guaratini, Mariana Boger, Mariana Shizue e Sofia Salles . A equipe, composta por integrantes que são muito interessadas em cinema, trabalhou muito bem para montar uma espécie de videoclipe duplo de músicas da cantora americana Melanie Martinez. A primeira metade do vídeo é fortemente influenciada pela música “Dollhouse”, pegando até alguns dos elementos do videoclipe oficial, mas agregando vários toques de autoria das meninas. A segunda metade, baseada na música “Dead to Me” que ainda não tem clipe, foi inteira de criação das meninas.

O vídeo conta sobre esta revolta de uma boneca em um quarto de menina, e como ela vai assassinando uma a uma das garotas que vem brincar na “tea party”, até transformar a última delas em boneca também.

Há na escolha das músicas e nos gestos de agressão executados pelas meninas (os de autoria delas e não inspirados pelo clipe oficial), uma expressão muito forte de adolescência. De quem cansou de ser vista como menininha, bonequinha perfeita, e quer romper com esse rótulo. E isso é maravilhoso de se ver em um vídeo de 9º ano, porque isso é a expressão pessoal delas. Enquanto a maioria dos grupos fez vídeos tímidos e “seguros”, temendo se expor para os colegas, elas foram MUITO corajosas ao usar um exercício de colégio para botar pra fora algo sensível assim. E vejam bem: essa coragem encontra ressonância nos outros adolescentes que assistem ao vídeo. Eles se identificam com isso, enquanto dão de ombros e esquecem os vídeos “seguros”. É o que torna o vídeo tão popular (ele rendeu às meninas o maior número de curtidas no fórum onde os vídeos foram postados).

Quanto à agressividade do vídeo, não se preocupem: é uma “revolta saudável” e não há violência real aqui. As atrizes trataram as cenas dos assassinatos com um cuidado até excessivo, para que ninguém se ferisse de fato. É aqui que eu gostaria de ter estado ao lado delas nas gravações, para dar às cenas a agressividade necessária sem machucar ninguém.

A produção muito bem feita contou inclusive com rascunhos nos sketchbooks sobre maquiagem e cabelo das personagens, e rascunhos da estética geral que elas pretendiam ter no vídeo.

Na minha opinião, foi uma das melhores produções do semestre, entre as minhas turmas (não pude ver ainda os vídeos das turmas que não têm aula comigo).

Seleção para Projeto de Pintura 2015

Cartaz Curso de Pintura
No ano passado, um grupo variado de alunos do 1º, 2º e até do 3º ano do Ensino Médio do Colégio se empenharam durante o ano todo para pensarem e produzirem o mural colorido no pátio, em frente à quadra. Foram dois semestres desenvolvendo materiais, aprendendo técnicas de pintura e pensando em quais referências melhor representavam o Colégio e seus alunos. O projeto chamou atenção de muita gente, e houve até quem havia saído do Colégio, mas resolveu visitar para participar.

Mandala colorida surgindo dos tijolos do colégio.

Mandala colorida surgindo dos tijolos do colégio.

Stencil para produzir rapidamente os tijolos do Mural.

Stencil para produzir rapidamente os tijolos do Mural.

Mural2

 

 

 

Neste ano, o Projeto recomeça com novas ideias e um novo formato. O objetivo será produzir uma pintura desde seus elementos mais básicos: da produção do suporte e das tintas, até a aplicação destas tintas para desenvolver as imagens.

Os encontros para o Projeto acontecerão toda quarta-feira, nos horários das 14h40 até as 16h50. 

As inscrições para o Projeto de Pintura do Band, edição de 2015, estão abertas. Os interessados em participar do Projeto podem se inscrever online através do link:

http://tinyurl.com/BandPintura2015

Inscrevendo-se neste link com nome, turma e um endereço de e-mail válido, os alunos receberão instruções para a seleção, que deve acontecer entre os dias 4 a 11 de Março.

Se você é interessado e está cursando o Ensino Médio com esse horário livre, não perca tempo!

Moldes para técnica de stencil, chamados de "máscaras".

Moldes para técnica de stencil, chamados de “máscaras”.

Mural5

Transferência com solvente para aplicar os rostos de professores no Mural.

Transferência com solvente para aplicar os rostos de professores no Mural.

Palestra sobre Drácula

Vlad_TepesO personagem fictício do Conde Drácula foi baseado em um príncipe verdadeiro, que viveu entre 1431 e 1476 em uma região que hoje faz parte da Romênia, no leste europeu. Conhecido entre fãs de vampiros como Vlad, o Empalador, Drácula é hoje considerado pelos romenos como um herói nacional.

Quem era este príncipe? Ele de fato bebia sangue dos seus inimigos? O que levaria um escritor irlandês chamado Bram Stoker a transformá-lo em um dos personagens mais conhecidos da literatura de terror?

Em comemoração ao dia de Halloween, o professor Pedro Leão, da equipe de Artes, está organizando uma palestra sobre Drácula, que acontece às 19h00 desta sexta-feira,dia 31 de Outubro, dia de Halloween!

Os interessados devem se inscrever no Departamento Cultural do Colégio.

PaBela_Lugosi_2lestra “Drácula: personagem literário e pessoa real”

Quando: Sexta-feira, 31 de Outubro, a partir das 19h00

Onde: Band, sala A31

Incrições: no Departamento Cultural [Gratuito]

 

Exposição de fotos de alunos do 8º ano no Memorial da América Latina

Começa hoje, quarta-feira,  a exposição Eduardo Galeano –  entre cuentos y fotosque trará trabalhos fotográficos realizados pelos alunos do 8º ano do Ensino Fundamental do Band.

As fotos são o resultado de uma parceria entre as disciplinas de Artes e Espanhol que começou em 2008 e se estende até hoje. Neste exercício, os alunos são incentivados a produzir fotografias baseadas na compreensão que eles têm de textos propostos pelos professores de Espanhol. As melhores fotos são selecionadas para fazerem parte de uma exposição no Memorial da América Latina, com direito a evento de abertura e certificados de participação. A exposição tem se repetido todos os anos, salvo pelo ano de 2011, e atrai bastante gente para a Biblioteca Victor Civita, no Memorial, onde as fotos estão expostas.

O evento contará ainda com apresentação do Quarteto Saxofonando, que fará sua apresentação a partir do início do evento, às 19h00. Os integrantes do Quarteto compõem a Orquestra Brasileira do Auditório Ibirapuera e da Orquestra Furiosa do Auditório Ibirapuera que já tocou ao lado de grandes músicos como Mônica Salmaso, Gilberto Gil, Elba Ramalho, Renato Braz, Banda Mantiqueira, Toninho Ferragutti, Jair Rodrigues, Quinteto em Branco e Preto, Fabiana Cozza, Edson Montenegro, Oswaldinho da Cuíca, Carlos Malta, Laércio de Freitas entre outros.

 

SERVIÇO
Exposição Eduardo Galeano –  entre cuentos y fotos

Data: Coquetel de abertura: quarta-feira, 04/09
Horário: das 19:00 às 22:00
Local: Biblioteca Victor Civita Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664 – Barra Funda – São Paulo SP
Exposição: de 5 a 27 de Setembro, segunda a sexta das 9h00 as 18h00, aos sábados das 9h00 as 15h00

 

Palestra com Carolina Vigna-Marú

Na próxima quarta-feira, 28 de agosto, receberemos a artista plástica Carolina Vigna-Marú para uma palestra aqui no Band. Carolina é editora e colaboradora com o jornal literário Rascunho e escreve uma coluna sobre arte, ilustração e design na Revista Wide. Entre tantas atividades, ela também escreve e ilustra livros infanto-juvenis como Isabel, selecionado para o programa Livros na sala de aula do Estado de São Paulo; Godô dança, selecionado pelo PNLD 2013 Obras Complementares, Godô joga capoeira, Godô planta e Godô cozinha.

Ela vai conversar com nossos alunos e

With congestion clumps minutes Asian viagra online slightly to different little shedding wonderfully leave.

convidados sobre a técnica que utiliza para ilustrar seus livros, a encáustica, que irá enriquecer bastante alguns assuntos trabalhados em aula com nossos alunos do 6º ano.

Godo cozinha Isabel

 

 

 

 

Data: 28 de agosto de 2013
Local: Sala A31
Horário: 19h00

Mural de Grafite

Alunos do Ensino Médio descobrem o Mural

Alunos do Ensino Médio descobrem o Mural

Desde o início de maio, estão ativos os dois Murais de Grafite, iniciativa do Departamento de Artes, inaugurados pelo prof. Pedro Leão e pelo assistente Danilo Chamas no pátio do colégio, perto das salas BS1 e BS2. Diz o professor Pedro: a ideia do mural veio da minha experiência como aluno do Band, em uma época anterior ao Projeto Sala Limpa. Percebendo que o pessoal da limpeza limpava as mesas das salas uma vez por semana (aos sábados, na época), eu comecei a fazer desenhos elaborados e detalhados na mesa que eu ocupava todo dia. Tratava-se de um exercício com dupla finalidade: primeiro, porque exercitava a paciência e a dedicação a um único desenho, durante um longo período de tempo (uma semana já era uma eternidade para a minha geração…), o que levava a um desenho detalhado e de qualidade muito superior ao desenho imediatista; segundo, porque exercitava o desprendimento, já que eu sabia que aquele desenho deixaria de existir no fim de semana. Hoje, claro, as câmeras de celular tornam esse segundo ponto meio obsoleto. Ainda assim, eu lembrava com carinho desse meu exercício semanal de desenho, e resolvi propor os Murais como um jeito de incentivar uma prática similar na comunidade do Band. Similar, porém não idêntica, já que eu concordo (e MUITO) com o Projeto Sala Limpa, então realmente não seria adequado incentivar as turmas a desenharem nas mesas.

As boas ideias normalmente são ideias simples. E esta era bem simples e barata de implementar. Depois de uma breve pesquisa do tipo de fórmica adequada (precisava ter a textura certa para pegar o grafite, porém ainda ser fácil de limpar) e do preço para comprar e instalar as chapas, submetemos a ideia para a aprovação da diretoria do colégio, que prontamente a aprovou. As chapas foram instaladas na última semana de provas do primeiro bimestre, e os lápis de grafite integral (sem a parte de madeira) comprados na semana seguinte. O nome do projeto permaneceu como Mural de Grafite, com o intuito de lembrar tanto a arte de rua feita em paredes da cidade, quanto o material  que ficaria disponível para usar nestes nossos murais.

O primeiro dia do Mural de Grafite já provou que a iniciativa tinha sido um sucesso. Alunos do Ensino Fundamental e Médio cobriram as duas chapas não só com desenhos que mostravam sua expressividade pessoal, mas também com frases que mostravam sua aprovação por este e outros projetos do colégio, como por exemplo o Bixorantinos (fanzine dos alunos do Projeto Idade Mídia). Enquanto eu desenhava, quis incentiva-los a explorar as possibilidades desse tipo de desenho, a ver que o grafite podia ser espalhado com o dedo para fazer sombreados, ou apagado em partes com borracha para fazer pontos de luz. Eu mesmo ando pensando em como fazer um stencil com o grafite.

IMG_1466

Resultados do primeiro dia do Mural

No final desse primeiro dia, já pude perceber alguns efeitos curiosos surgindo. Danilo veio me contar como, enquanto ele desenhava, outros alunos haviam começado junto. Um deles comentou que não ia fazer um desenho tão grande, para deixar espaço para as outras pessoas desenharem. Outros desenhistas do Mural foram menos altruístas, passando por cima dos desenhos já feitos ou apagando algumas partes para poder incluir a sua participação. Eu achei essa dinâmica inicial interessante, porque me lembrava do código de conduta de grafiteiros e pixadores nas ruas da cidade, segundo o qual não era “educado” passar por cima da obra de outros artistas: “atropelou, é toy”, diziam eles (atropelar sendo o termo para passar por cima do desenho, e toy a denominação de um grafiteiro iniciante, irresponsável e mal educado). Imagino que essas regras de conduta ainda surgirão com o passar do tempo. Eu mesmo não quero impor nada desse tipo, para deixar a coisa fluir naturalmente enquanto os próprios alunos pensam no que vale a pena e o que não é muito legal, pensam na linguagem desse meio e na visibilidade que suas mensagens terão.

É preciso, no entanto, colocar algumas poucas regras para garantir que a brincadeira continue:

• Apenas grafite será permitido por enquanto (a maioria dos materiais coloridos pode até ser apagada, mas deixa manchas que são muito difíceis de remover)
• Os lápis de grafite integral devem ser devolvidos para as cestas nas laterais das colunas, para que outros possam usar

E você? Já foi lá grafitar?

Romantismo no MASP

O melhor de ser professor é que você acaba aprendendo muito para poder ensinar, e desenvolve um olhar mais detalhado sobre coisas que normalmente passariam mais superficialmente. No ano passado, fui com alunos do Ensino Médio para a exposição sobre o Impressionismo no Centro Cultural Banco do Brasil, no centro da cidade. Aprendi muito mais do que ensinei, e saí com uma visão BEM diferente e muito mais madura do que tinha sido o movimento, o que levou os pintores a fazerem obras daquele jeito e como os artistas seguintes se apropriaram dessa linguagem. Nesse ano, pensando em fazer o mesmo, fui dar uma olhada inicial na exposição do MASP sobre o Romantismo.

Como falar para alunos do Band sobre o Romantismo?

 

Catedral de Salisbury Vista do Jardim do Bispopor John Constable

Pode-se falar das questões formais que fazem uma pintura romântica: como o tom escuro da vegetação às margens do quadro isola o espectador do mundo real, fazendo-o atravessar  por um buraco na mata em penumbra para visualizar um pôr do sol perfeito e brilhante atrás de uma catedral esfumaçada pela perspectiva atmosférica. Falar disso é falar de como nós, espectadores do quadro, estamos colocados nessa mata fechada que pode representar um monte de coisas: uma vida difícil, sufocante como mata fechada; uma escuridão fria que representa a falta de razão, de sentimento. Enfim, a vida real é tediosa, difícil e fria; é isso que os românticos dizem. E criam até um termo para isso: a vida é cheia de spleen.  O quadro romântico fala da possibilidade de encontrar uma abertura por entre essas folhagens escuras e modorrentas, para visualizar aquele pôr do sol quentinho, brilhante e colorido, representando sensações positivas e êxtase, como se a vida pudesse ser melhor, mais interessante e plena. O pôr do sol surge por trás de uma catedral perfeita, representando o acalanto da fé e da civilização, que são vistas como fonte desses sentimentos positivos. Porém o quadro também tem um elemento pessimista, já que a catedral e o pôr do sol estão muito além da floresta negra em que nos encontramos, fora do alcance. A distância é tanta que os contornos da catedral ficam azulados e perdem a nitidez. A composição é um jogo de seduzir este ser da floresta com esses confortos e segurança, e ao mesmo tempo lhe negar o acesso.

A maioria dos quadros do Romantismo têm essa configuração de ambiguidades: o escuro e a luz, o selvagem e a civilização, o violento e o seguro, o arrebatamento e a razão. E a grande brincadeira do Romantismo vai ser criar tamanha tensão entre essas duas coisas, entre seduzir e negar, que o espectador vai ter medo de quando essa tensão for satisfeita. Medo de ter aquela sensação de “ué, depois de toda essa antecipação, era só isso?”. Medo de que a ideia que ele criou do êxtase seja muito maior do que o êxtase em si. E o resultado é que boa parte dos Românticos vai preferir a idealização à realidade.

Mas e daí? Falar para meus alunos sobre estes aspectos visuais do Romantismo faria com que eles entendessem a cara de uma pintura romântica, sem entender sua graça, sua alma. Para entender o Romantismo, seria preciso falar do sublime. Mas que criança de vida segura conseguiria entender o pavor, a loucura e o maravilhamento do sublime? O sublime que, na época do Romantismo, era relacionado ao terror do selvagem, da noite, da violência irracional. Um terror muito maior do que qualquer um de nós, incompreensível, indomável. A Natureza era o maior monstro! E era por isso que pessoas, nos quadros Românticos, apareciam sempre pequeninas, perdidas na mata, à deriva no mar; e as edificações pareciam ser pequenos oásis de civilização e linhas retas, sendo lenta e inexoravelmente tragados pela Natureza de borrões escuros esverdeados até virar ruinas.

Cachoeira de Paulo Afonsode E. F. Schute
Paisagem com Fontede Charles-Émile Vacher de Tournemine

O Romantismo, no MASP, recebeu o subtítulo de “Arte do Entusiasmo”. Na verdade, o movimento de fato expressa sentimentos muito fortes. Mas nem sempre positivos, entusiásticos. Nas vertentes mais extremas, foi o movimento que levou ao Werther de Goethe, e ao Drácula de Bram Stoker.  Às poesias de Lord Byron Álvares de Azevedo (no Brasil).  Essa busca por emoções fortes (positivas e negativas) pode ser encontrada até hoje em muito da nossa cultura que procura o êxtase a qualquer preço (inclusive pagando com a saúde). O que mostra que o Romantismo foi mais do que um movimento passageiro da primeira metade do século XIX. Ele perdura até hoje, meio escondido, debaixo da sua cama, na escuridão da mata à noite, no fundo do mar. Esperando para atacar com todo seu sublime a qualquer momento.

[SERVIÇO]

Quem se interessar pela exposição, pode encontrar mais informações no site do MASP.

A exposição fica aberta de terça a domingo e feriados, das 11h às 18h. Às quintas, das 11h às 20h.

Preços vão de R$7,00 para estudantes a R$15,00 a inteira. [Terça é de graça!!!]

E mais informações sobre o romantismo podem ser encontradas nos links abaixo:

• http://pt.wikipedia.org/wiki/Romantismo

• http://pt.wikipedia.org/wiki/Romantismo_no_Brasil

• http://www.suapesquisa.com/romantismo/romantismo.htm

• http://www.soliteratura.com.br/romantismo/


Anima Mundi 2012

Logo Anima MundiComeça amanhã a 20ª edição do Anima Mundi (site oficial). Pensar que o festival já tem 20 edições e é um dos três maiores festivais do gênero no mundo diz muito sobre como o Brasil passou a respeitar esse tipo de arte nas últimas duas décadas. Eu mesmo acompanhei várias edições, desde os anos 2000. O festival acontecia em duas salinhas no prédio da FIESP na época em que eu comecei a frequentar. Lembro até hoje de ter visto um filme dos irmãos Quay que me impressionou muito, mas que não foi muito bem compreendido pelo público. De lá pra cá, o festival ganhou lugares mais privilegiados, como o CCBB no centro da cidade e o Memorial da América Latina, onde três sala exibem mais de 500 filmes estrangeiros e nacionais e outras barraquinhas fornecem ao visitante a chance de testar sua habilidade em várias técnicas de animação. Já experimentei animação com areia, massinha, zootrópio e a animação convencional. Ainda não fiz o pixilation, que é sempre concorrido por não depender da habilidade de desenho das pessoas. Mas o auge foi há umas três edições, quando a turma do estúdio japonês Pika Pika veio fazer animação com lightpainting (desenho com lanterna captado por uma câmera tirando fotos em velocidade bem lenta). Cada ano traz novas surpresas.

Alguns nomes se destacam nesta edição do festival. Don Hertzfeld (sim, aquele do Genre que a minha turma de 9º ano viu nesse segundo bimestre!) está aí com uma animação pra lá de grotesca, mesmo com traços bem simples. Tem bons filmes de stop motion como o Ponto de Equilíbrio de Analúcia Godoi e Cafeka de Natalia Cristine. Kim Jin Ma traz o Noodle Fish, uma animação legal com desenhos feitos na areia. Amir Admoni traz o Linear, que eu aposto que foi baseado nas esculturas diminutas do artista de rua britânico Slinkachu. E Morten Helgeland traz uma visão hilária da guerra entre uma senhora de idade e as lesmas no seu jardim em Slug Invasion. E em um clima mais triste vem o Mentiras são Contadas em Julho de Rogério Vilela. Tem muitas outras coisas boas por aí, então vale a pena simplesmente comprar sessões a esmo e ver o que a sorte traz.

O festival acontece no CCBB e no Memorial da América Latina, de 25 a 29 de Julho.
As sessões começam às 10:00 da manhã e a última sessão do dia acontece às 23:00.

Aproveite!