Professores visitam Bienal de Veneza

O Coordenador de Artes, Filosofia e Sociologia, João Régis Lima, e o professor de Artes, Pedro Leão, foram à 56.a edição da Bienal de Veneza, enviados pelo Bandeirantes. O evento é considerado o maior, mais antigo e mais importante, dentre as Bienais de Arte do Mundo e completou 120 anos em 2015.

Professores Pedro e Régis

A exposição era dividida em temas como “O jardim do Caos”, “Ao vivo: em Duração Épica” e “Lendo o Capital”, que traziam questões muito atuais da sociedade sob a ótica da arte. “A Bienal de Veneza é uma grande vitrine da produção artística contemporânea. Estar no evento é estar em contato com o que há de mais representativo surgindo agora”, contou Régis.

Dentre as obras expostas, uma que chamou a atenção dos dois professores foi a Rêvolution, no pavilhão francês. A instalação consistia em árvores acopladas a um sistema da rodas, que se moviam de acordo com a luz do local e o fluxo de seiva da planta. Além disso, o fluxo de seiva também compunha uma produção de som no pavilhão. “Esse projeto é muito interessante porque tem todo o espírito do STEAM e mostra muito bem como uma obra pode ter um caráter científico e poético”, declarou o Coordenador. “É a junção da estética com tecnologia, razão e subjetividade”, completou Pedro.

Para os professores, a presença na Bienal se faz importante em diversos aspectos, como por exemplo, a atualização do currículo de Artes. “Essas exposições nos fazem pensar em como ensinar Artes para além do conteúdo, chama para o desafio de ir para o lado da produção”, afirmou o professor.

Além disso, a Bienal traz assuntos que podem ser debatidos em outras disciplinas, como explica o Coordenador Régis: “Muitas obras que estavam na Bienal poderão ser utilizadas como provocação para levantar discussões no curso de Filosofia e de Sociologia, porque a arte também reflete questões políticas e sociais”.

Vídeo dos Alunos – Makulelê Miranda: O Homem que Enfrentou o Fascismo

A equipe formada pelo Arthur Miranda, Augusto Gonzales Leite, Diego “Di” Hajjar, Marcelo de Assis Lustosa, Matheus Almeida, Raphael Palumbo e Vitor Souza Amin teve problemas e soluções em igual grandeza. Para produzir seu ambicioso vídeo “Makulele Miranda – O homem que enfrentou o Fascismo”, o grupo mobilizou uma equipe ainda maior na produção, contando com a ajuda de alunos de outros grupos da sala e até de outras salas. A equipe de produção contava com cerca de vinte pessoas, incluindo até um colega que já havia saído do Colégio.

O filme tem um gosto de “prequel” muito mais bem produzido do filme de primeiro semestre de alguns dos integrantes do grupo. Conta a história de um rico comerciante de diamantes mestiço, tentando sobreviver à política racial do Fascismo de Mussolini. A produção demonstra que eles aprenderam a olhar para o próprio trabalho com muito mais seriedade, marcando a evolução no senso crítico e estético dos alunos.

O valor do filme está em todo o trabalho de pré-produção da equipe, que garimpou figurinos, negociou o uso de cenários e encontrou objetos de cena fundamentais para os momentos mais tensos e necessários do roteiro. Esse grupo levou a sério MESMO essa fase do projeto.

E apesar do trabalho todo, correndo contra o tempo, um problema técnico fez com que eles perdessem toda uma primeira versão da edição. O grupo entrou em contato com o professor, e mesmo sem poder participar da exibição para a turma no final do bimestre, virou noites para refazer a edição e entregar o trabalho, demonstrando verdadeiro comprometimento e paixão pela criação deles. Tanta paixão, que o vídeo estoura o limite de 5 minutos imposto aos alunos sem que os integrantes se importem com as consequências: eles preferiram o deleite de ter a obra completa (todos os 15 minutos dela), sem perder as cenas de impacto.

Eu consegui acompanhar parte do processo de trabalho através do grupo de Facebook que os alunos montaram, e no qual incluíram todos os professores. A experiência foi riquíssima, e me deu várias ideias para outros anos. Terminado o ano, os alunos foram para sua viagem de formatura, e voltaram postando no grupo do Face sobre a vontade de produzir uma continuação ambientada na Guerra Fria, e postando todas aquelas deliciosas ideias de brainstorming inicial para esse novo projeto.